Textos


                        Escuridão

Um estampido de um clarão escuro, cego, torto;
esfacelou uma blindagem linda, esboço rijo,
vertical de beleza, que, frágil, aborto
reprovável;  dor. Triste esconderijo.
 
A luz outrora vicejante apagou. Morto
de esperança, interrompeu um percurso, corrijo
incompreensível do existir são. Natimorto,
lutou em vão, disse ao mundo: estou vivo! Eu dirijo.
 
Uma mensagem dolorosa, amarga, misteriosa;
cobriu  toscamente a imensidão de aspirações
de certezas: frágeis, tímidas; enganosa.
 
Uma dor imensurável; a luz irradiante
de um som indesejável de conotações
críveis decretou a morte de uma vida pujante.



Nota do autor: há alguns dias não escrevia, hoje neste 7 de setembro, compus um soneto triste, "ESCURIDÃO" tem um mote ancorado no Brasil de hoje, que teria que ser verde amarelo, porém, está escuro de: descrença nas instituições; no cotidiano incerto para brasileiros e brasileiras; enfim, de uma falta de seriedade mínima nas coisas que deveriam ser simples. O Brasil está escuro de falta de moralidade, de virtudes construtoras do bem, está escuro de quase tudo. Melancólico, no seu dia da independência, o Brasil convergir todas as cores do horizonte numa única, o preto. 
 
CHAGAS FERREIRA
Enviado por CHAGAS FERREIRA em 07/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários