Textos


                                   Undecágono notável
     
          A geometria, como ramo da matemática clássica, mais especificamente a plana, materializa diversas formas e entendimentos do nosso dia a dia, nesse sentido, encontramos os ângulos que nada mais são que o encontro de semirretas com uma mesma origem, formando abertura de um ponto comum, os quais definirão a importância do vértice semelhante e congruente.

          O Teorema de Tales (Tales de Mileto), filósofo e matemático grego que viveu antes de Cristo, usou seus conhecimentos de geometria e proporcionalidade para, por exemplo, determinar alturas de Pirâmides, e hoje, certamente qualquer estudante aplicado de matemática básica saberá entendê-lo e interpretá-lo, mesmo a despeito de milhares de anos.
         O ângulo, na condição de célula base na composição das figuras geométricas planas, também se caracteriza como ponto e vetor de difusão de conhecimentos e de importância relevante e primordial no cenário holístico do processo, sendo matéria prima para a formação dos polígonos, sejam regulares ou irregulares, quando são classificados quanto aos lados e quanto aos ângulos.
         Nesse diapasão de entendimentos, começo então a discorrer sobre o  título do meu artigo, que certamente atrairá os leitores para os mares tediosos e desanimadores da matemática, principalmente para a Geometria, no entanto, n’um exercício de arremetimento, prometo, atraí-los, surpreendê-los e empolgá-los no salutar hábito da leitura para outros mares navegantes. 
         A harmonia dos poderes constituídos forma o coro afinado no processo de democracia vicejante, que equivocadamente, tenta-se incutir como estado de direito democrático, furtando-se a um sem número de compromissos éticos, morais, democráticos e, porque não dizer de uma ausência de caráter e de virtudes de doer na alma de qualquer brasileiro.
         Sem arrodeios, passo a tratar especificamente sobre a Corte Maior do Poder Judiciário, onde sua presidente num passado recente clamou para que “respeitem o Poder Judiciário”, abrindo, dessa forma, um flanco flagrante de, quiçá, desespero de existência, olvidando-se, mormente, de respeitar o povo brasileiro.
         Os requisitos constitucionais para ser Ministro do STF são cinco: 1) ser brasileiro nato; 2) idade entre 35 (trinta e cinco) a 65 (sessenta e cinco) anos; 3) estar no gozo dos direitos políticos; 4) possuir notável saber jurídico; e 5) ter reputação ilibada; inclusive, não se exigindo a formação acadêmica jurídica.
         Dos cinco requisitos exigidos, vou encasquetar com o Nr 4) possuir “notável” saber jurídico, destacando a palavra notável, talvez notório, dando conta de que o notório talvez tenha significados vários, guiados ou não à revelia dos interesses, sejam constitucionais e democráticos, ou, sejam escusos ou espúrios.
 
         Ao vermos o “Undecágono Notável” formado quando os Ministros estão perfilados e dispostos no plenário maior, viajamos por ares e mares revoltos de entendimentos, desde os mais condizentes aos mais repugnantes, num exercício de hermenêutica incomensurável, pois, para os doutos do direito traduz-se em orgasmos de saber; assimétrico, porém, para o leigo, que se traduz em verdadeiras torturas veladas da justiça simples, corriqueira, cotidiana, desejável por todos de bem.
         A blindagem do Poder Judiciário é tão evidente, que se justifica até no entendimento de que, “cabeça de juiz e bunda de bebê, de lá não se sabe o que sai”, talvez uma máxima inocente e convincente de situações perfeitas de normalidade, no entanto, despenca vertiginosamente sobre nós outras conclusões, muitas delas voltadas para um submundo criminoso, nefasto, pernicioso e de tantos outros adjetivos negativos atribuídos ao fato.
         Outra máxima conhecida no mundo jurídico: “decisão judicial não se discute, se cumpre”, visivelmente acachapada quando o patamar dos envolvidos se equipara aos vértices do “Undecágono Notável” mais especificamente no caso do Presidente do Congresso Nacional ao descumpri-la de forma irrefutável e, mais recentemente, porque não dizer ao Presidente da República, tornando o baile de harmonia democrática entre os poderes, perfeito.
         Nesse “Undecágono Notável” observa-se também um beligerante e intermitente jogo de egos, de busca de espaços que muita das vezes contraria uma das leis mais conhecidas da Metafísica mais elementar e salutar que conhecemos, “A Lei da impenetrabilidade”,  que assegura: “que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo”, à revelia dos suspeitos essa lei é desprezada, vilipendiada, partindo-se para a disputa de egocentrismos extravagantes.
         Discorrendo sobre “Notável” e “Notório”, no atual processo democrático pleno, vivido em nosso país, paira de forma cabal e indelével uma dúvida, qual seja: “Se notável ou notório saber jurídico”, aplica-se ao processo: denúncia – aceitação da denúncia – julgamento – transitado julgado; ou, tão somente ao processo criminal ou político, sendo mais explícito no raciocínio ao vivido esta semana quando o TSE julgou a cassação da Chapa de Campanha do Presidente da República, onde uma das Cortes Superiores desceu por sete palmos terra adentro princípios doutrinários do direito consagrados, a despeito de uma dúvida: se julgamento político ou criminal.
       Certamente o povo brasileiro está com a tampa cheia dos impropérios patrocinados pelos Poderes Constituídos da República Federativa do Brasil, a harmonia dos “Três Poderes Podres” está voltada para consolidar cada vez mais a subserviência, a dependência do povo ao Poder Dominante, onde a relação povo-poder permeada de vícios, de promiscuidade velada da deturpação de virtudes, aclamando, talvez, o exercício do mais fácil, do mais profano, do mais vantajoso, sem, contudo, importar-se com a moralidade, com a ética, corroborando assim para um lambuzar de perfídias de moral.
         Dessa forma, por tudo que fora até aqui discorrido, quem sabe o povo desperte desse hibernar conivente com o PODER CENTRAL, onde o conivente, o complacente, o leniente, comece a dar lugar a questionamentos salutares de democracia, de enfrentamentos, de desprendimentos de interesses subalternos, passando a protestar de forma inteligente, serena, dentro dos princípios democráticos, mostrando a todos a força que o poder do povo possui, fazendo com que o “Undecágono Notável”, seja representado por notáveis e notórios, voltados para os interesses do povo, do país, não suscitando dúvidas, inclusive da vida ilibada dos notáveis, fazendo valer o apelo da sua presidente de que “respeitem o Poder Judiciário”. 
 
CHAGAS FERREIRA
Enviado por CHAGAS FERREIRA em 11/06/2017
Alterado em 11/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários