Textos


                                              86.400
 
         O Sopro Divino espalhou vida pela face do universo, criaturas das mais diversas espécies povoaram a grande aldeia global promovendo um ambiente multicolorido de cheiros, de sons, de pensamentos e, por que não dizer: de amores.
         Dos viventes espalhados pelo Sopro, um, em especial, candidata-se ao maioral, ao perfeito, mesmo cheio de imperfeições; ao infalível, mesmo permeado de falências; esse ser é o homem.
         O bicho homem, na condição de superior, de dotado de inteligência, de sentimentos múltiplos: ódio, amor, coragem, covardia; desenvolveu um infinito arsenal de criações terrenas, dentre tantas, temos os diversos sistemas numéricos, culminando neste momento com o nascimento do meu personagem, 86.400.
         Surgido de um conjunto infinito, o dos números naturais, ele é: magnífico, esplendoroso, invencível, belo, formoso; transcende todos os limites do saber, é imponente e dominador de todas as coisas.
         O que o 86.400 é capaz de realizar, de engenhar, de materializar? É capacitado, simplesmente, para fazer todas as realizações, ele é digno de toda a nossa reverência e deferência, é uma síntese apoteótica, uma verdadeira deificação.
         O 86.400 vive perto de nós? Onde ele mora? Ele é factível? Sim, ele vive grudadinho a todos nós, humanos de todas as tribos, de todas as nações, de todos os credos, é indissociável de todas as criaturas movíveis e inamovíveis.
         Ele personifica a síntese do faz tudo, de que nós não podemos desprezá-lo, magnificamente ele governa todas as nossas ações, é o governante máximo, é: tirano, republicano, parlamentarista, democrata; tem aliados em todas as rodas de pensamentos e ideologias; além de ser discente e docente de todas as faixas de estudo, desde a mais baixa até as loucuras dos corolários inéditos do doutorado.
         Como estudioso das entranhas da alma e da psique, é 10 elevada a potência enésima mais forte que Freud, sabe tudo de nossos labirintos retorcidos de nossas vontades e vaidades, além de conhecer e dominar todas as nossas crenças e religiões do mundo, possui o domínio de todas as formas de metamoforses e miscigenações, é um verdadeiro mago no trato das misturas das infinitas porções da vida.
         O meu personagem deste conto maravilhoso é tão glorioso, que se repete quase que infinitamente, diria milhares de vezes, sem, contudo, ser enfadonho, ser apático, ser inepto, ser corriqueiro, ser desprezível. 
         O 86.400 é tão especial, que de tudo que falei d’ ele até agora, vou imergir no mundo do paradoxo, da contradição, contando-lhes um segredo: ele é tudo isso que relatei até agora, mas, é também: boçal, altivo, autocrático, dominador, pois não aceita nada de diferente daquilo que ele determinar.
       Assim sendo, finalmente, apresento-lhes o 86.400!!!! Simplesmente é um número magnífico, esplendoroso, divino, que representa a quantidade de segundos que nosso Deus, Poderoso e Misericordioso, Arquiteto Maior deposita todos os dias n’uma conta bancária chamada Vida.
      Depósito esse, que nós empreendedores mundanos e terrenos e, mais ninguém sobre a face da terra, pode aplicar, pode ceder para outro humano, pode hipotecar, pode especular.
         Na condição de humanos, só temos uma opção: usá-los; usá-los intensamente com sabedoria, com maestria, com dignidade, com ética, com moral e com escrúpulos; incondicionalmente não cedendo às facilidades e benesses do mal, jamais caindo na teoria do maniqueísmo e, sim, mergulhando de forma inequívoca, retilínea e linear nos mares da sensatez, do respeito ao próximo, do instinto gregário e da dignidade humana, até porque, talvez, não sejamos merecedor de mais um depósito de 86.400.
CHAGAS FERREIRA
Enviado por CHAGAS FERREIRA em 22/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários