Textos


                TORMENTAS

O barulho da maré soava sorrateiro
invadindo um território viril, matreiro.
As correntezas vigorosas, perigosas,
arrastam consciências insanas, nervosas.

A mente moribunda espedaça primeiro
o porvir, se esfacela, impede que o obreiro
apascente as almas nuas; cargas assombrosas
de aspirações pervertidas, escabrosas.

A solidão da multidão tonta, pérfida
das virtudes, patrocina as banalidades,
imortaliza o sofrer; lágrima infinda.

A psique inebriada, vil, quanto te atormentas,
causa em ti dor, expõe tuas fragilidades,
levando-te a navegar nos mares de tormentas.
CHAGAS FERREIRA
Enviado por CHAGAS FERREIRA em 09/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários