Textos


Suseranos x Vassalos
 
                  A Bastilha, fortaleza construída em 1370 na França, seria as torres gêmeas construídas em 1960 em Brasília?
                   A história conta que em 14 de julho de 1789, como data referencial, assinala o início da invasão do povo francês à fortaleza, que até então simbolizava poder, fortificação e blindagem.
                  Na época, o sistema legislativo francês dividia-se em três grupos, os chamados três Estados: o primeiro compreendia o clero católico; já o segundo representava a nobreza; finalmente, o terceiro, representava a população em geral. Os dois primeiros grupos votavam quase sempre em conjunto deixando o Terceiro Estado isolado e marginalizado, tornando qualquer proposta de mudança da situação pela via política bastante difícil.
         Diante dessa situação de falta de representabilidade política, somada à dilapidação dos cofres públicos promovida pela nobreza e pelo clero, aos problemas econômicos enfrentados pelo país na época (devido à participação francesa na guerra de independência dos Estados Unidos somada às colheitas deficitárias ocorridas naqueles últimos anos), a situação torna-se insustentável, o que lança o povo contra o governo de modo dramático, tomando o controle do país à força.
         As classes mais humildes, o povo, enfrentariam por diversas vezes, situações de superioridade por parte das classes dominantes, até que em 25 de agosto de 1789 seria aprovada a Declaração dos direitos do homem e do cidadão, com cunho “iluminista”, marcando dessa forma o declínio dos traços do sistema Feudal, defendendo direitos considerados atualmente básicos e fundamentais, como direito à liberdade, igualdade perante à lei, inviolabilidade da propriedade privada e resistência a qualquer tipo de opressão.
             Os senhores feudais possuíam terras e exploravam suas riquezas cobrando impostos e taxas desses nobres em seus territórios. Era um tratado de suserania e de vassalagem entre eles. Esses vassalos podiam ceder parte das terras recebidas para outros nobres menos poderosos que eles e passavam a ser os suseranos destes segundos vassalos, enquanto permaneciam como vassalos daquele primeiro suserano. Um vassalo recebia parte da terra e tinha que jurar fidelidade ao seu suserano, num ritual de poder e de honra, quando o vassalo se ajoelhava diante de seu suserano e prometia fidelidade e lealdade.
                   No sistema feudal quem concedia terras era suserano e quem as recebia era vassalo em relações baseadas em obrigações mútuas e juramentos de fidelidade. O rei concedia terras aos grandes senhores e esses, por sua vez, concediam partes dessas terras aos senhores menos poderosos - os chamados cavaleiros – que passavam a lutar por eles. Um suserano se obrigava a dar proteção militar e jurídica aos vassalos. Um vassalo investido na posse de um feudo se obrigava a prestar auxílio militar.
                   O tempo, senhor de todas as ações, transcorreu e vige em 2017, não mais se fala em feudalismo, em suseranos, nem a geografia contempla a França Legislativa daquela época. O hiato temporal e histórico de 228 anos materializa um tempo de modernidade, de rapidez na tramitação de informações, de instantaneidade do que se pensa e do que se pretende.
                   E quem são os nossos “Suseranos” de hoje? Talvez aos mais ecléticos soem bem o verbete, mas, certamente para nós vassalos, seriam todos os nossos algozes travestidos de políticos.
                   Ainda existe a Bastilha dos anos 1370, principalmente no Brasil? Pergunta permeada de um viés principalmente ideológico, complicado, pois “Bastilhas” como fortalezas, sempre existirão, e o nosso Brasil de hoje abriga várias “bastilhas”, sendo a mais nociva, perniciosa, funesta e imoral se localiza no Planalto Central, mais precisamente na Praça dos Três Poderes, em Brasília-DF.
                   Hoje, no nosso amado Brasil, certamente não existe os três estados legislativos existentes na França citada; não temos poder do Clero, não temos poder dos Monarcas, mas temos sim o poder do povo, batizado de “Terceiro Estado”.
                   Existem semelhanças a tudo que se tem de contexto histórico entre a França daquela época e ao Brasil de hoje? Pergunta muito simplória do ponto de vista de uma resposta coerente.
                   Será que há uma votação de medidas legislativas sincronizadas entre o Clero e a Monarquia? Veja bem, no Brasil o clero não mais interfere nas decisões do Estado e nem tão pouco temos Monarquia. Perfeito, mas que tal raciocinarmos com o “clero” e a “monarquia” do mal caratismo, do domínio de interesses espúrios, de quadrilhas instituídas para assaltarem os cofres públicos, talvez justifique dois grupos tão entrosados, não permitindo que o Terceiro Estado, “povo”, obtenha êxito naquilo de interesse comum.  
                   A “bastilha” de Brasília nos alimenta de tudo que não presta: corrupção, desmando, jogo de interesses, destruição do orgulho de ser brasileiro, enfim, a relação dos “suseranos” e “vassalos” do Brasil de hoje é absolutamente trágica, incongruente, promíscua, e por que não dizer catastrófica.
                   Remando para o fim, como corolário, vivemos num país onde o minimamente sério é desprezado; onde o político eleito continua político, abstendo-se incondicionalmente de ser administrador, passando a protagonizar os mais aviltantes momentos de vergonha, de falta de caráter, tudo em nome de uma busca incessante de se locupletar, de enriquecer a custa dos cofres públicos.  
                   Rematando, pois, a única saída para o “Terceiro Poder” – o povo -, é ocupar a “bastilha” do poder carcomido reinante em nosso país. Precisamos mostrar aos nossos “Suseranos” que a palavra final ainda está com o povo, lamentável, mas chegamos ao ponto final, efeitos colaterais poderão advir de nossa escolha? Sim, no entanto, todos os efeitos nefastos e destruidores que já vivemos, talvez justifique a tomada da “bastilha” localizada na Praça dos Três Poderes.

Pesquisa histórica – fonte: http://www.infoescola.com/historia/queda-da-bastilha/
CHAGAS FERREIRA
Enviado por CHAGAS FERREIRA em 18/02/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários